Goiânia, sábado, 20 de Setembro de 2014     Seja-bem vindo! 
:: Sermões em Série ::
Séries / VIVENDO COM PROPÓSITOS  / A ADORAÇÃO QUE JESUS RECONHECE - MC 14:1-3

A ADORAÇÃO QUE JESUS RECONHECE - MC 14:1-3

Perto da Sua morte (v. 1-2), Jesus encontra-se com uma mulher que Lhe impactou tanto que Ele afirmou que ela seria lembrada permanentemente em todos os lugares do planeta onde o Evangelho viesse a ser pregado. Por qual razão ela O impressionou tanto? Porque Lhe oferecera uma ADORAÇÃO GENUÍNA...

I – TEM O TOQUE DA INFORMALIDADE (v. 3)

1. Local: Betânia; casa de Simão leproso; mesa (v. 3)

2. Postura de Jesus: reclinado (v. 3)

3. Participantes: mulher (v. 3 cp. c/ Jo 12:3 = Maria); Marta e Lázaro (Jo 12); Discípulos (Mt 26:8).
Adoração não é sinônimo de templo, domingo, culto, sacerdote, rito, solenidade, cerimônia,MAS de informalidade, simplicidade, expontaneidade. Adoração se efetiva quando temos um estilo de vida que glorifica a Deus.

II – TEM A MARCA DA QUALIDADE (v. 3)

1. Maria ofereceu a Jesus um perfume de qualidade - “preciosíssimo” = com um valor correspondente a aproximadamente um ano de trabalho de um trabalhador comum... (v. 5)

2. Jesus espera que lhe adoremos com o MELHOR dos nossos sonhos, inteligência, emoções, aptidões, tempo, dinheiro, relacionamentos, projetos, Ele não aceita restos!

III – TEM EVIDÊNCIAS DE PRATICIDADE (V. 3-6)

1. Maria teve uma agilidade crescente (v. 3 – “veio... trouxe... quebrou... derramou”)
Não houve espaço entre a intenção e a ação...

2. Maria estabeleceu uma centralidade única: Jesus (v. 4-6)
a) A indignação de “alguns” (v. 4-5) foi imediata
Jo 12 diz que estes “alguns” foram os próprios discípulos de Jesus tendo Judas como porta-voz...
b) A aprovação de Jesus a Maria foi imediata (v. 6 - ... ela praticou boa ação para comigo)

3. Não adianta escrever tratados sobre adoração, pregar sermões sobre adoração, ouvir uma série de reflexões sobre a oração, fazer um pácto comunitário de ampliação da adoração, se nada disto se torna realidade no nosso cotidiano. Adoração não se efetiva com belos discursos, mas com uma bela prática...

IV – TEM A SENSIBILIDADE PARA VISUALIZAR A OPORTUNIDADE (v. 7-8)

1. Maria compreendeu que a hora era de adorar Jesus e não ser solidária com os “pobres de Jesus” (v. 7)
2. Maria compreendeu que a hora era de adorar Jesus com o que tinha na suas mãos, evidenciando uma genuína identificação com Seu sacrifício na calvário... (v. 8)
3. Precisamos discernir em cada momento da nossa vida uma oportunidade para adorar Jesus...

CONCLUSÃO

Maria, na sua sensibilidade feminina e espiritual, sempre esteve perto de Jesus (Lc 10:38-42; Mt 26:9): com ela aprendemos que adorar Jesus exige aproximação informal, doação qualificada, motivação prática e visão oportuna, com Ele aprendemos que não é qualquer adoração que Lhe traz prazer e O move a conferir reconhecimento. AVALIE: que lugar tem a adoração no Seu dia? Que lugar tem Jesus na sua adoração? Até que ponto você tem adorado Jesus na situações de informalidade?

Pr. Jair Francisco Macedo – jajamacedo@hotmail.com


Série: VIVENDO COM PROPÓSITOS Visitas: 8920

     :: Sermões da Série ::
» AS QUALIDADES DO SERVIÇO DO REINO - I PD 4:7-11
» O SERVIÇO DO REINO - MT 21:28-32
» A BATALHA DA EVANGELIZAÇÃO – MARCOS 9:14-29
» AS CONEXÕES DA EVANGELIZAÇÃO: DAR DE COMER A QUEM TEM FOME
» O FOCO DA EVANGELIZAÇÃO - MC 5:14b-20
» A ESTRATÉGIA DA EVANGELIZAÇÃO - MC 3:13-19; 6:7-13
» A MENSAGEM DA EVANGELIZAÇÃO - MC 2:1-12
» O CHAMADO PARA A EVANGELIZAÇÃO - MC 1:16-20
» DISCIPULADO, UM CHAMADO À GRANDE COMISSÃO - MC 16:14-20
» DISCIPULADO, UM CAMINHO DE SUPERAÇÃO - MC 10:32-34
» DISCIPULADO, CAMINHO DE SALVAÇÃO - MC 10:17-27
» DISCIPULADO, UM CAMINHO DE SERVIÇO – JO 13:1-17
» AS EXIGÊNCIAS DO DISCIPULADO – MC 8:34-38
» O PERFIL DO DISCÍPULO – MARCOS 8:27-33
» RESTAURANDO RELACIONAMENTOS QUEBRADOS - MT 18:15-20
» COMUNHÃO: UM CAMINHO DE INTEGRAÇÃO – At 2:36-42
» UNIDADE: CAMINHO DA BÊNÇÃO - SL 133
» COMUNHÃO, CHAMADA AO AMOR - JO 13:31-35
» DESENVOLVENDO UM PROJETO DE ADORAÇÃO - LC 22:39-46
» O DEUS QUE DESCE NA ADORAÇÃO - ISAÍAS 64
» O DESAFIO DA ADORAÇÃO COMUNITÁRIA - LC 17:11-19
» A ADORAÇÃO QUE JESUS RECONHECE - MC 14:1-3
» AS IMPLICAÇÕES DA RESSURREIÇÃO - MT 28:1-10
» A FESTA DA PÁSCOA - EX 12:1-28
» VALE A PENA FAZER DE DEUS O PROPÓSITO CENTRAL DAS NOSSAS VIDAS? SALMO 73
» VIVENDO O MAIOR PROPÓSITO DIVINO: A PERFEIÇÃO - (Fp 3:12-16)
» VIVER COM PROPÓSITO - ISAÍAS 26:1-4


 1157277 Visitas desde 07-04-1997
 Usuários On-Line: 3
 
 2008. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Ousar.Net   Área Restrita