A hora da verdade para Lula

A hora da verdade para Lula

No último dia 24 de Janeiro , o Tribunal Regional Federal da Quarta Região, reunido em Porto Alegre, ratificou através de sua oitava turma, a condenação imposta ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo Juiz Sérgio Moro, ampliando a pena para 12 anos e um mês de prisão. Apesar das intermináveis manobras jurídicas que serão buscadas pelos advogados de defesa, tem-se como extremamente improvável uma candidatura de Lula à presidência, uma vez que, por ironia da história, ele mesmo assinou uma lei aprovada pelo Congresso em 2010 – a chamada Lei da Ficha Limpa – que proíbe aos políticos condenados em decisões colegiadas de segunda instância o direito de candidatar-se. Mais importante, porém, do que a condenação estabelecida pelo Tribunal, é a compreensão de que Deus tem olhado de maneira especial para o nosso país e agido em favor dele de maneira poderosa. A Operação Lava-Jato é uma comprovação clara do que afirmou Paulo: “os magistrados não são para temor, quando se faz o bem, e sim quando se faz o mal… eles são ministros de Deus para o vosso bem” (Rom 13:3, 4). Homens poderosos politicamente e economicamente, que outrora circulavam orgulhosos pelos palácios de Brasília, agora estão amarrados em tornozeleiras eletrônicas ou trancafiados nas grades dos nossos presídios. Deus, que zela pelo cumprimento da lei, está agindo através de homens frágeis, porém sérios, para que efetivamente a lei valha para todos.

Neste santo movimento divino por terras tupiniquins, Seu foco tem sido um extraordinário resgate da verdade. Deus, sabemos, é o Deus da verdade, “as obras das suas mãos são verdade e justiça” (Sl 111:7). Por outro lado, todos aqueles que envolveram-se nos caminhos obscuros da corrupção, inconscientemente ou não, aliaram-se ao diabo, aquele “que jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade, aquele que quando profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira” (Jo 8:44). Nesta grande batalha espiritual, Deus soberanamente vai ensinando-nos que, como igreja, não precisamos ser de esquerda, direita ou centro, precisamos sim exercer com liberdade e autoridade vinda do Seu trono a nossa missão profética, indo aos palácios como arautos da verdade, orientando e se necessário confrontando o Rei, sem jamais usufruir de suas benesses.

Esta é a nossa missão: “nada podemos contra a verdade, senão em favor da verdade” (II Co 13:8).

Em Cristo, verdade encarnada,
Pr. Jair Francisco Macedo

Deixa seu comentário

Your email address will not be published.