“Avivados no Espírito” pelo enfrentamento do pecado – Salmo 32

24 de junho de 2019
“Avivados no Espírito” pelo enfrentamento do pecado – Salmo 32

  I – DISCERNINDO O PECADO (v. 1-2)

  1. Qual a diferença entre pecado e iniquidade? (v. 1)

“Iniquidade” é uma questão pessoal e original (Sl 51:5 “eu nasci na iniquidade e em pecado me concebeu  a minha mãe”). Cada um de nós tem uma natureza que é originalmente má, desconectada de Deus, insensível às demandas de Deus.  Ex.: a criança aprende o mal feito até mesmo sem ter muitos mestres…. (Ex. do Halley e o Guilherme)

      “Pecado” diz respeito às consequências que enfrentamos na nossa vida pelo fato de ter esta natureza ruim…. Explicando: talvez seu pecado seja um pecado bem comum em nossas igrejas – a maledicência (você adora uma fofoca); a iniquidade que está por traz deste pecado é  que você não acredita que Deus pode controlar a vida das pessoas, mas você pode…..)

            Iniquidade                                                                                Pecados

                 Centro                                                                                Circunferência

                                            Origem                                                                                      Resultados                             

                                                    Raiz                                                                                           Fruto                                          

            Produtor                                                                                      Produto

        Fonte                                                                                            Fluxo

              O que somos                                                                         O que temos feito

 

HÁ SEMPRE UMA INIQUIDADE POR TRAZ DO PECADO COMETIDO. PRECISAMOS TER O DIAGNÓSTICO CORRETO PARA BUSCAR A CURA CORRETA.

         “Lava-me completamente da minha iniquidade e purifica-me do meu pecado” ) Sl   51:2

  1. Quem tem poder para lidar com a nossa iniquidade e o nosso pecado?

(v. 2 “Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não atribui iniquidade e em cujo espírito não há dolo”)

A única pessoa que tem autoridade plena para não nos perdoar é Deus e Ele o faz por meio de seu filho Jesus  (Ex.: Jo 8:1-11  a mulher surpreendida em adultério). Jesus não atribui a nós a iniquidade porque Ele atribuiu a sí na nossa iniquidade ( Is 53:5, 6   “Ele foi moído pelas nossas iniquidades… o Senhor fez cair sobre Ele a iniquidade de todos nós…”) e, tendo pago o preço por ela, nos perdoa plenamente da iniquidade e do pecado (Ex. ladrão na cruz).

  1. Qual o resultado do perdão do pecado? (v.1-2)

Bem-aventurança = felicidade. O prazer de obedecer é maior do que o prazer de pecar. Mas quando pecamos, o prazer do perdão é maior do que o prazer da auto-justificação….

II –  ENFRENTANDO O PECADO (v. 3-5)

** A experiência de Daví

  1. Escondendo o pecado (3-4 )

** v. 3 “Enquanto calei os meus pecados…” Daví, numa retrospectiva difícil, admite que “calou” = guardou, escondeu, armazenou, conservou os seus pecados. Consequências:

a). Degeneração precoce da saúde física (v.3 “… envelheceram os meus ossos….)

Pecando ou não ficaremos velhos mas o pecado, em muitas circunstâncias, apressa o envelhecimento (Ex. João, pai da Silvana)

b). Degeneração da saúde emocional (v. 3b “… pelos meus constantes gemidos todo o dia”)

Nem toda instabilidade emocional é derivada de pecado, mas, em várias circunstâncias, pecados podem levar ao crescimento das fragilidades emocionais (Ex.: uma pessoa que não perdoou o abandono dos pais, corre o risco de viver amargurada consigo mesmo e com os outros a vida inteira).

c).Sentimento de culpa aguçado (v. 4 “Porque a tua mão pesava dia e noite sobre mim…”)

Quanto mais Daví tentava fugir de Deus, escondendo seu pecado, mais ele sentia a mão de Deus. Esta presença ininterrupta de Deus deixava sua alma num cárcere permanente……..  Quem conheceu a Deus não consegue viver em paz com o pecado

 d).A experiência de um terrível deserto existencial (v. 4b “… e o meu vigor se tornou em sequidão de estio”)

Saúde ou doença, oásis ou deserto, liberdade ou prisão, força ou fraqueza, vitória ou derrota….? A decisão de enfrentar o pecado de maneira errada levou Daví ao chão……

  1. Revelando o pecado (v. 4)

“Confessei-te o meu pecado e a minha iniquidade não mais ocultei…”

a). Confissão pessoal a Deus do pecado (v. 4a “confessei-te o meu pecado…”)

b). Verbalização clara da iniquidade por trás do pecado (v. 4b “…. e a minha iniquidade não mais ocultei…”)

c). Compromisso com uma vida transparente (v. 5a “… Disse: confessarei as minhas transgressões…)

d). Consciência clara e definitiva do perdão de Deus (v. 5b “… e tú perdoasse a iniquidade do meu pecado”

III – USUFRUINDO AS BÊNÇÃOS DO ENFRENTAMENTO DO PECADO (v. 6-11)

** “Sendo assim….”

  1. Fortalecimento da comunhão com Deus (v. 6a “… todo homem piedoso te fará súplicas em tempo de poder encontrar-te…”)

O homem que fugia de Deus, que não se conformava com as exigências de Deus, que sentia-se incomodado com o peso da mão de Deus, agora fala com Deus, aproxima-se de Deus, prioriza Deus, concentra-se em Deus….

  1. Segurança diante dos dramas da existência (v. 6b “… com efeito, quando transbordarem muitas águas não o atingirão”; v.7 “Tú és o meu esconderijo, tu me preservas da tribulação e me cercas de alegres cantos de livramento”)

Quem está conectado com Deus tem uma clara visão de si mesmo, de Deus e das circunstâncias. Quem está em paz com Deus consegue experimentar paz em meio às adversidades…..

A rota do pecado é tristeza,  culpa, doença, depressão, estagnação. A rota do perdão é proteção, preservação,  libertação, saúde, avanço, celebração….

  1. Direção segura para o futuro (v. 8 “Instruir-te-ei e te ensinarei o caminho que deves seguir, e, som as minhas vistas, te darei conselho”)

Jorge Muller: “O Senhor firma os passos do homem bom e no seu caminho se compraz” (Sl 37:23) . Ele acrescentou “e as paradas também”. Os perdoados estão prontos para receber todas as direções divinas….

 CONCLUSÃO

  1. Alertas divinos:

a) É muito perigoso viver à parte do domínio de Deus (v. 9 “Não sejais como o cavalo ou a mula, sem entendimento, os quais com freio e cabrestos são dominados; de outra sorte não te obedecem”)

Quem não se submete aos freios e cabrestos divinos, submete-se aos freios e cabrestos de satanás….

b) Só existem duas certezas na vida (v. 10: “muito sofrimento terá de curtir o ímpio, mas o que  confia no Senhor a misericórdia o assistirá”).

Certezas:  para o homem “ímpio” – sofrimento; para o homem que “confia no Senhor” – a assistência da misericórdia do Senhor.

c) A maior alegria da vida é a alegria daquele que foi perdoado por Deus (v. 11 – “Alegrai-vos, ó justos, exultai, vós todos que  sois retos de coração”)

LIÇÕES PARA A VIDA   **** As lições de Brumadinho ****

  1. A Vale, até sexta, era considerada uma das maiores empresas de mineração do mundo, sinônimo de boa gestão e lucro (Bolsa de Nova York);
  2. O que aconteceu com a Vale: soube lidar com uma riqueza extraordinária – o minério de ferro – , mas não soube lidar com os resíduos advindos da sua exploração. Criou uma barragem para reter tudo aquilo que era inútil no minério de ferro, mas não soube controlar esta gigantesca retenção…
  3. Existe uma simbologia para as nossas vidas hoje: imaginemos que o minério de ferro represente as virtudes, os acertos, as conquistas, os valores positivos que pela graça de Deus permeiam nossa existência. Mas a virtude é vizinha da fragilidade, a força da fraqueza, a riqueza da pobreza. Existem resíduos perversos na nossa existem, frutos da nossa iniquidade, que a Bíblia aqui chamou de iniquidade. O que estamos fazendo com eles: erguendo barragens para retê-los e impedir que avancemos em nossa espiritualidade? Talvez a barragem da religiosidade, do ativismo, do sacrifício pessoal, da performance pessoal…. Estas barragens não podem reter o seu pecado e, a qualquer momento, esta barragem pode se romper e destruir sua vida. Voce precisa aprender com Daví que o pecado não pode ser escondido, acumulado e perigosamente guardado…..
  4. Não podemos brincar com o pecado.
  5. Não podemos conviver com a culpa.
  6. Podemos e devemos nos apropriar do perdão em Jesus!

SERMÃO PREGADO EM 27/01/2019.

PR. JAIR FRANCISCO MACÊDO.

Deixa seu comentário

Your email address will not be published.